sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Agnetha Fältskog na inauguração do Hotel Nobis em Estocolmo

Agnetha Fältskog compareceu esta semana à festa privativa de inauguração do Hotel Nobis, em Norrmalmstorg, no centro de Estocolmo. Agnetha veio acompanhada da amiga de longa data Lolo Murray. Björn Ulvaeus também esteve presente ao evento, acompanhado da esposa Lena Kallersjö.

O Hotel Nobis, que pertence ao conhecido rei de restaurantes de Estocolmo Sandro Catenacci, será aberto oficialmente no próximo dia 1º de dezembro de 2010.

Fotos:

Fonte: Expressen e Abbamikory

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Mais Agnetha na premiere de "Cornelis"

Fonte: Raffem

ABBA The Vinyls Collection Trailer



Fonte: Icethesite

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Vi Magazine, 2010: Rei Benny

Entrevista com Benny Andersson publicada na revista sueca "Vi" em outubro de 2010 onde ele fala sobre o apoio da mãe no início da carreira, o amor pela esposa Mona, a melancolia, o dinheiro na sua vida e muitas outras histórias. Confiram:

Nós conversamos por horas no sofá de veludo vermelho, quando de repente ele pára.

"Eu realmente não gosto disso!"

Muito simpático e sincero. Benny Andersson não gosta disso tudo. Ou melhor: ele gostaria de poder falar livremente. Mas ele mantém os seus segredos. Ele permanece livre de coisas complicadas. Não por causa de si mesmo, mas pelos que não têm voz.

No momento seguinte, ele afirma:

"Eu sei qual título você deve colocar nisso: Eu não quero nenhuma manchete!"

Nós sentamos no Hotel Rival, em Estocolmo. O sofá curvado de veludo próximo à janela é onde ele sempre senta quando está aqui. Nós bebemos água de boa qualidade enquanto uma luz quente e dourada de outono era filtrada pelas folhas verdes das árvores do parque Mariatorget.

No bar, uma foto de Janis Joplin em Woodstock tecida no tapete. O garçom está sobre os seus seios.

Benny é um cara de Estocolmo. Ele ainda parece um menino. Em alguns aspectos, sua história começou no clube juvenil Vällingby quando, aos 15 anos, ele se envolveu com Christina. Ela era uma garota linda, e cantava muito bem. E ela tinha 17 anos! Um ano depois ele se tornou pai.

O que eles diziam em casa?

"Bem, as coisas eram como eram."

Mas nada como... "Mas Benny, você tem apenas 16 anos!?"

"Sim, isso é verdade. Mas depois ficou tudo bem. Como eu disse, as coisas eram como eram.

Göran Bror Benny Andersson iria ser pai. Ele tinha 16 anos e disparou para a idade adulta quando o seu filho Peter nasceu. Benny viveu em casa um pouco, mas ele morou principalmente os avós de Cristina, com ela e com o seu filho. Seis pessoas viviam em um apartamento de dois quartos em Vitangi Street.

"Estava tudo OK", diz ele.

Este seria um grande contraste com a vida que ele passou a ter: renome mundial, muitos discos vendidos, o edifício em Skeppsholmen, a casa no canal de Djurgården, os jardins em Sörmland, barcos, cavalos de corrida. Um dos suecos mais bem sucedidos de todos os tempos.

Sua vida teve uma ou duas mudanças surpreendentes, ele acha.

A vida de todo mundo não é assim? Todos não têm seus altos e baixos? Momentos que parecem triviais e banais, mas que irão alterar para sempre as suas vidas.

Benny Andersson muitas vezes usa a palavra sorte. Que ele não fez nada para isso, por tudo o que ele recebeu. E experimentou.

"Eu me formei na escola secundária, tinha 15 anos e praticava em Svenska Böstader, onde o meu pai trabalhava. Eu costumava encontrar um rapaz com quem às vezes conversava um pouco. Um dia ele me parou e perguntou: "Você pode tocar o órgão" "Sim, eu disse".

Embora ele não pudesse.

A resposta o levou da banda cover Elverket Spelmanslag para o Hep Stars, ídolos das adolescentes. O Hep Stars não está em primeiro plano na memória de todos atualmente, mas em 1965 eles eram sólidos, o cantor Svennne Hedlund era muito atraente.

Terá sido talvez a mãe de Benny quem lhe encorajou a dizer "sim". Sim, em vez de "Não, eu nunca toquei o órgão"?

Sua mãe lhe deu o que ele acredita ser o alicerce para uma vida boa. Autoestima. Uma consciência de que ele iria sobreviver. E então ela lhe deu um piano. E o deixou tocar.

Existe uma tristeza. Um estado de espírito calmo e pensativo. Um vestígio sombrio na aparência jovial.

"Um rosto redondo e barbudo" fazem as pessoas pensarem que você está feliz e amável. Embora esteja claro que isso não é verdade."

Não é?

"Não, claro que não! Portanto, a vida que tenho vivido é ridícula. Não sou eu. Isso não existe. Não foi baseado no meu mérito. É pura sorte."

A palavra novamente. Sorte - ou coincidência.

Benny cresceu em Vällingby. Ele falou muitas vezes sobre o seu pai e sobre o seu avô e os acordeões que eles tocaram. Ele herdou as suas raízes musicais diretamente deles.

Sua mãe?

Ele faz uma pausa. Respira.

"Ela foi a pessoa que me fez sentir que eu era bom o suficiente. Ela me proporcionou o início mais maravilhoso. Minha mãe era uma dona de casa nos anos 50. Uma mulher criativa. Inteligente. Mas ela não tinha nenhuma forma de se expressar. Como tantas outras mulheres naquela época. Presa em uma espécie de prisão."

"Ela estava em casa quando eu chegava da escola. Eu tocava o piano por pelo menos quatro horas por dia. Todos os dias. Eu podia tocar o quanto eu quisesse. Ela nunca me disse que eu a incomodava. Ela não julgava. Ela me fez sentir que o que eu fazia era bom."

Primeiro foi Christina e as crianças. Ele viajava com o Hep Stars. Ela o seguia em suas viagens, e sua filha Helen nasceu no hospital Tranås.

O Hep Stars era um sucesso. Ele tinha 18 anos e era pai de dois filhos. Mas ele também era um adolescente em turnê. Se há algo que ele lamenta é ter deixado os seus filhos.

"Fiz isso quando Christina e eu terminamos. É claro que conversamos sobre isso ao longo dos anos, eu e as crianças, e concluímos que a maior parte das coisas correram bem afinal de contas."

Houve uma época após o The Hep Stars e antes do ABBA em que Benny não sabia para onde a vida estava indo. Foi um período importante. Ele o ensinou a não tomar nada como garantido. Mas como aconteceu Waterloo em Brighton em 1974, tudo começou a fluir.

No ano seguinte o ABBA foi #1 nas paradas americanas. Anni-Frid, Benny, Björn e Agnetha. E Stikkan Anderson. Todos viviam em uma ilha no arquipélago. Passavam os verões juntos e trabalhavam juntos. Eles tentaram não viajar muito porque queriam estar perto das crianças. E para nada interferir em suas composições.

"A vida que eu tenho tido não é uma vida que você pode escolher. Quero dizer, você não pode descobrir. Nascer com um talento não é nada para se vangloriar. Mas acho que é um dever administrar o dom que se recebeu."

Como você faz isso?

"Trabalhando. Passando o maior tempo possível compondo de forma que os resultados possam ser os melhores alcançados. E fazendo as escolhas certas. E não transferir o seu dinheiro para Jersey. Você tem de decidir de que lado da cerca você quer estar. A Suécia é um dos países mais bem sucedidos do mundo. Nós podemos nos dar ao luxo de estarmos lá. Mas se tornou uma sociedade onde a palavra solidariedade tem sido obliterada. Não tem mais significado. A ganância tomou conta."

Benny se chateia à sua própria maneira, em um tipo de forma contida. É óbvio que ele está sendo sincero.

"A ganância é o pior dos pecados mortais."

Um ano atrás houve um rumor quando se soube que Benny era o doador "secreto" do partido político Feministisk Initiativ. Gudrun Schyman disse à rádio que o partido não havia recebido nenhuma cédula para as eleições europeias. Benny ligou para ela e perguntou que tipo de ajuda eles precisavam.

"Eu gosto de fazer a diferença para a democracia."

Durante os anos com o ABBA e Stikkan Anderson, isso irritou algumas vezes quando Stikkan falava para a banda inteira e dizia coisas como "todos os membros do ABBA são contra os impostos trabalhistas e contra a elevada carga fiscal na Suécia."

"Ele tinha uma propensão para dizer 'nós' quando queria dizer 'ele'. Tivemos uma série de conversas sérias com ele: Stickan, não diga NÓS quando na verdade é VOCÊ que quer comprar a Saxon & Lindstrom. Não diga NÓS quando você é contra os impostos trabalhistas dos empregados. Sim, sim, dizia Stikkan. Eu prometo."

"Mas isso não fez diferença."

Existe algum problema em ter tanto dinheiro como você tem?

"Nem um pouco! Mas se a pessoa tem dinheiro, ele deve ser compartilhado. Por exemplo, a pessoa pode começar pagando os impostos!"

A revelação do ABBA aconteceu em 1974, em meio ao movimento de esquerda. Um exemplo típico de comentários feitos por críticos musicais suecos da época foi uma resposta à pergunta... "O que o povo pensa sobre a música do ABBA?" (Uma manchete em que Mia Gerdin do jornal Dagen Nyheter comentou: "Merda glorificada".

"Cuidadosamente fabricado lixo musical internacional", disse Tommy Rander, um dos críticos do Aftonbladet. "Sua música é também calculada e não se sente espontaneidade. A música será um produto frio e insensível que é comercialmente vendido." "A letra é desanimada em sua banalidade. Mas é profissional", disse Christer Eklund, diretor editorial da coluna jovem da Rádio Sueca (e saxofonista na gravação de Waterloo!).

"Ele provavelmente ficou decepcionado quando não lhe permitimos tocar como ele queria."

Olhando para trás, os comentários parecem quase como caricaturas dos críticos de esquerda do ABBA. Mas naquele momento isso era sério.

Como se sentiu?

"Não me incomodei muito com as críticas, porque nós tínhamos o nosso público. Por outro lado, ninguém quer ser criticado de forma devastadora assim, em público. Mas a minha lembrança é o fato de que muitos dos nossos discos foram recebidos muito bem."

Apesar de ter sido nos anos 70 nem tudo tinha conotações políticas.

"Musicalmente, a música mais progressiva era inútil. Exceto para Hoola Bandoola Band e the National-teatern. Mas eu sinto falta hoje de não ter sido uma parte do movimento. Eu teria gostado de estar politicamente envolvido mesmo assim. Tomar parte nos protestos do Vietnã, por exemplo. Mas estávamos em outro lugar. Quando a montanha russa começou, depois de Waterloo, tudo o que podíamos fazer era apenas pegar e segurar. Chances como essa vêm em marcha de caracol e desaparecem num piscar de olhos! De repente estávamos com material quente, e entramos em um tipo de túnel de visão focado na carreira."

Na verdade eles foram número um do mundo.

O avô Efraim Anderson foi tesoureiro do Byggettan (um sindicato). Ambos, ele e o pai eram social-democratas.

"Uma vez eu me sentei no mesmo estúdio de TV em que Olof Palme estava, ele disse que queria dizer 'Olá' para o meu avô. Ele tinha acabado de chegar de Nässlingen, no arquipélago de Estocolmo, a ilha que o meu avô ajudou a União a comprar, a fim de que os trabalhadores comuns tivessem a oportunidade de comprar uma pequena casa de verão. Vovô já tinha morrido há 20 anos, mas Olof Palme estava de olho nos seus ideais. Palme era excelente! Incrivelmente capaz, com um carisma incrível."

"Eu trabalho todos os dias. Eu faço isso para usar o que tenho recebido na vida. Para ser "autêntico". Eu não me sinto uma fração do "ABBA Benny" ou "Benny Hep Stars". Não sou eu. Eu quero ficar com a música. Eu não faço um grande projeto musical há 15 anos, desde então."

Eu tenho a minha orquestra, e ela é maravilhosa. É um grande prazer estar com toda a banda e a camaradagem entre nós. Quando fazemos turnês, saímos com nossos cônjuges e filhos. Nós vivemos bem, comemos bem, saímos e tocamos. Mas prender algo por muito em meus dentes é realmente difícil. Algo que eu quase não consigo segurar!

O que acontece com o ABBA, com a sua música que continua a tocar mundo afora? Por que isso persiste? É claro que existem muitas respostas. Muitas sugestões têm sido consideradas "a mixagem, produção, músicos".

Mas a resposta de Benny é: "Melancolia disfarçada. Se você tocar a música puramente, sem qualquer enfeite, por exemplo, apenas em um piano, outra coisa se insinua. Não é tão alegre quanto parece. Talvez seja isso, mas na realidade eu não tenho ideia do porquê."

Em uma mesa em uma festa, ele se viu ao lado de uma mulher chamada Mona.

"Levei um quarto de hora para perceber que estava sentado ao lado de uma mulher que iria mudar a minha vida."

[Apenas] 15 minutos?

"Sim, eu não sei como isso aconteceu. Algo me atingiu. Era como se eu não tivesse escolha. Falamos sem parar por cerca de oito horas, mas não tenho ideia sobre o que! Eu era casado com Frida nessa época, e não interessava brincar com isso, por isso levamos três ou quatro meses antes de Mona e eu formarmos um casal correto."

O divórcio entre Frida e Benny se transformou em mais colunas nos jornais. Agora os dois casais do ABBA estavam divorciados. Os dias da banda junta estavam contados.

"Pessoalmente, eu acredito que o ABBA foi o que sustentou a vida nos relacionamentos e não o contrário, como a maioria das pessoas pensa."

Mona e Benny já estão juntos há 30 anos.

"Eu gosto de Mona, diz ele com um sorriso. Ela significa muito para mim. Eu fui afortunado em encontrar a mulher que abre o mundo para mim... que é mais sábia do que eu. Mona mudou a minha forma de encarar a realidade. Ela ajuda a abrir os meus olhos. Antes eu estava muito concentrado no meu próprio mundo, no meu mundo ABBA".

Benny em breve irá buscar a sua neta mais nova Viola, de 3 anos, em uma creche.

"Ela é realmente deslumbrante", diz ele prendendo os braços em direção ao seu peito como se a menina já estivesse em seu colo. "Muito inteligente, muito divertida! Muito linda. Dê uma olhada!"

Na foto em seu iPhone, Viola usa o vestido Madicken que a irmã Lisbet usou no filme. Ela está com o vestido da estilista Inger Elvira Pehrson. Sim, ele conhece "todo mundo".

"Sim, eu conheço muita gente. Mas o número dos meus amigos realmente próximos não é muito, cinco ou seis."

Enquanto conversamos, um rapaz com um rabo de cavalo vem correndo em nossa direção com um bloco: "Eu gostei realmente do seu hotel" Benny assina um autógrafo e diz "Obrigado".

Benny não toma bebida alcoólica há nove anos.

"É a melhor coisa que eu consegui para mim. Se você perceber que não se sente você mesmo se não tiver álcool no seu corpo, então é hora de parar."

Alguns podem beber. Outros não.

"Se eu não tivesse parado provavelmente não estaria sentado aqui hoje. O álcool é uma espécie de filtro que fica no caminho da realidade. Agora ele se foi, isso é bom. Mas 'a vida não é tão simples como os grupos de abstêmios fazem você acreditar', disse Sandemose."

O pequeno carro branco de Benny está do lado de fora do lobby do hotel. Lá estão apenas um pastor alemão e duas pessoas.

Um senhor idoso bate na janela do carro: "Você lembra de mim? Eu o levei para casa há 40 anos atrás. Numa manhã bem cedo. Você disse que iria comprar café para mim."

"Da próxima vez que nos encontrarmos, prometo que haverá refrescos. Eu preciso ir para o jardim de infância agora", diz Benny para Lundberg, que é como o idoso se apresenta. Lundberg não tem certeza do que Benny diz, mas ele concorda.

Fatos:
Nome: Göran Bror Benny Andersson.
Profissão: Gênio pop, compositor, acordeonista, professor, doutor honoris causa, colecionador de arte.
Nascimento: 16 de dezembro de 1946.
Onde mora: Djurgården, Estocolmo.
Compositor favorito: Johan Sebastian Bach.
O que está lendo: Agora mesmo Sara Stridsberg "extremamente talentosa e incomparável contadora de histórias."
Melhor prêmio: Ser eleito para o Rock and Roll Hall of Fame. "Com Elvis, Beatles, Stones, Carole King, Stevie Wonder, Michael Jackson...! Nós somos a única banda não anglo-saxônica!"
Cavalos de corrida: "Demais". Quatro na Inglaterra, cinco na Suécia.
Coleção de arte: Consiste principalmente em pinturas suecas do século passado e artistas contemporâneos.
Sua carreira em números: As vendas de discos desde 1972 passam de 375 milhões de cópias no mundo inteiro. Mamma Mia! O filme sozinho arrecadou mais de 4,8 bilhões. As botas plataforma do Eurovision Song Contest em Brighton em 1974 foram vendidas em Bukowski por 22 mil coroas suecas.

Fonte: Icethesite
Revista Vi, Suécia - Outubro de 2010

Créditos:

Entrevista: Kristina Lindström
Fotos: Elisabeth Ohlson Wallin
Tradução sueco-inglês: Icethesite
Tradução inglês-português: ABBA Brazil
Digitalização de fotos: Kaarin Goodburn

sábado, 20 de novembro de 2010

Agnetha e Frida em fotos recentes

No dia 18 de novembro, Agnetha Fältskog assistiu acompanhada por uma amiga à pré-estreia do novo filme sobre o cantor, músico e compositor Cornelis Vreeswijk.

O filme se chama "Cornelis" e conta a vida do lendário artista holandês que emigrou para a Suécia aos doze anos de idade e queria ser jornalista, mas acabou se apaixonando pela música. Cornelis Vreeswijk é considerado um dos trovadores mais influentes e bem sucedidos na Suécia e morreu aos 50 anos de idade em 1987 em Estocolmo.

Uma curiosidade é que Frida (quando ainda usava o nome Anni-Frid Lyngstad) gravou uma composição de Cornelis em 1971, "Telegram För Fullmånen", que fez parte do seu primeiro álbum solo, "Frida", produzido por Benny Andersson e lançado no mesmo ano na Suécia pela gravadora EMI Sweden.

E já que estamos falando de Frida, ela esteve em novembro na cidade de Los Angeles, Estados Unidos, para acompanhar o neto Jonathan Casper (filho de Lise-Lotte, falecida em 1998). Jonathan se submeteu a uma cirurgia e Frida na ausência física da filha cumpriu bem o seu papel de avó dedicada que sempre foi.






Fontes: Finest, Abbaofficial e Abbamikory

Agnetha, 1983: Não há mais tempo para o ABBA


Agnetha livrou-se do ABBA. A sua carreira tem completa prioridade. O sucesso parece garantido antecipadamente. No entanto, o "bumbum mais sexy da Europa" - seu apelido na imprensa americana - não está livre de problemas. Medo de voar, cuidar dos filhos, o destino desconhecido do super grupo sueco, a fofoca em curso e o seu próprio medo do fracasso são os obstáculos mais difíceis em sua trajetória, que poderia levá-la a Hollywood.

Todos no Centro de Congressos RAI, em Amsterdã, estão fartos. As estrelas do show de gala ANWB 100 anos estão irritadas porque os ensaios não estão indo muito bem. "Se eu soubesse disso antes...," suspira Julien Clerc, expressando a opinião geral entre os artistas.

A orquestra de TV TROS - regida por Harry van Hoof - não está se sentindo confortável porque algumas estrelas estão usando fitas com música de fundo. Os técnicos estão andando com as mãos suadas, a transmissão ao vivo poderá ser prejudicada.

Entre um sentimental Ron Brandsteder que - junto com o contador mais encantador da Holanda chamado Willy Dobbe - foi contratado para tomar conta das conversações e de uma multidão impaciente de cães da imprensa, ainda há alguém que irradia simpatia e tranquilidade: Agnetha Fältskog.

A loira do ABBA veio ao nosso país principalmente para promover o seu single "The Heat Is On". Em um ônibus ultra-luxuoso, ela encontrou a imprensa no continente europeu nas últimas semanas. Viajando no veículo futurista - que permaneceu escondido dos olhares curiosos na garagem do hotel Sonesta na capital holandesa - equipado com todas as conveniências possíveis. Além de um bar e uma banheira, o ônibus tem uma videoteca completa e oito acomodações para dormir.

"Esta maneira de viajar é nova para mim", analisa Agnetha sobre o seu ônibus de viagem, "mas me satisfaz completamente. Você não fica incomodado com o tempo de espera nos aeroportos e todo o nervosismo que isso traz e você desce bem na entrada do seu hotel. Você nem percebe que está realmente viajando. Eu prefiro passar o meu tempo no ônibus do que neste camarim."

Depois que a sua gerente pessoal Mary Anderson - filha do empresário do ABBA Stig Anderson - trouxe para ela um prato de comida vegetariana e uma xícara de chá, ela falou sobre o seu medo de voar enquanto comia. "Essa tem sido uma outra razão para eu viajar em um ônibus. Eu não consigo lidar muito bem com o voo, sempre tenho medo."

Com o conhecimento no bolso de que - devido ao seu passado no ABBA - seu sucesso como artista solo é
praticamente garantido na Europa, Agnetha Fältskog (pronunciado como Ageneitiea Felskoeë) ajustou a sua mira na América. O ABBA nunca foi tão bem sucedido lá quanto foi no resto do mundo. Com dificuldade, apenas algumas das composições de Björn Ulvaeus e Benny Andersson chegaram ao Top 10 nos Estados Unidos. No entanto, sua amiga e colega Frida (Anni-Frid Lyngstad, a cantora de cabelos escuros do super grupo sueco) surpreendentemente fez bonito nas paradas americanas com os seu álbum solo recém lançado "Something's Going On".

Existe ainda alguma inveja entre as duas damas, sobre o que tanto se tem escrito? "Você está brincando? Eu acho
fantástico o que Frida tem conseguido, juntamente com Phil Collins (produtor). O seu sucesso só me traz muita confiança para o meu álbum. Ainda mais porque o meu produtor Mike Chapman (conhecido pelo seu trabalho com Mud, Sweet, Suzi Quatro e até Blondie) conhece o mercado norte-americano muito bem e ele está muito otimista também." Frida já está preparando o seu segundo álbum solo em total silêncio. Mesmo antes do lançamento do seu álbum "Wrap Your Arms Around Me", Agnetha já está pensando no seu próximo projeto também. Portanto, o ABBA parece estar em segundo plano.

"Isso mesmo", ela confirma em seu inglês aveludado, carregado de sotaque. "Os rapazes assumiram a tarefa de escrever três horas de música para o musical que eles estão criando junto com Tim Rice (Jesus Christ Superstar, Evita). Isso significa que eles não vão ter tempo para escrever canções para o ABBA no momento. Eu realmente não sei se eles se reunirão para isso. Quando se trata do ABBA, o futuro é amplamente aberto. Não estamos dizendo que vamos continuar, mas não estamos dizendo que acabou também. Eu acho que o desenvolvimento de nossas carreiras individuais será um fator decisivo. E eu sei que está ficando cada vez mais difícil para Benny e Björn escreverem para o ABBA, eles são obrigados a chegar com canções excepcionalmente boas sob este nome. Após dez anos ocupados, é realmente uma dificuldade para eles. Todo mundo exige algo novo, algo especial. Se eles não entregam, em seguida o ABBA é inferiorizado e os milionários apenas enchem os bolsos. Para continuarem a se destacar, os rapazes vão precisar de mais tempo, não importa o quanto. A propósito, de acordo comigo poder lidar com esta pressão crescente é muito mais importante do que por exemplo as relações pessoais internas que não deixam nada a desejar."

Agnetha acha que está fora de questão o grupo sueco se apresentar no musical. "Isso seria impossível para nós. Seríamos obrigados a nos apresentar noite após noite. Nenhum de nós está interessado nisso. Pela mesma razão de que não queremos mais estar longe de casa por tanto tempo decidimos não sair mais em turnê. Nós realmente tivemos a nossa quota nos últimos anos. Mais do que poderíamos controlar, porque quando começamos com o ABBA pensávamos em fazer apenas discos. Para mim, nós sempre fomos mais artistas de gravação do que uma atração de concertos. Através da nossa música e não menos pelos clipes promocionais, nós chegamos ao topo. Os shows em todos os tipos de países foram realizados porque queríamos conhecer os fãs. Pelos momentos de estar no palco e sentir o apoio deles, eu gostaria de sair em turnê novamente. Essa é a única razão para uma turnê. Por outro lado são muitas as razões para não fazê-la, como os preparativos que levam até um ano inteiro e a saudade dos filhos."

Ela ainda encontra Benny e Björn regularmente. Deliciada, ela fala sobre os seus elogios para o seu álbum, que obviamente foi gravado na própria Polar Music Studios, em Estocolmo. Agnetha tem menos contato com Frida desde que ela se mudou para a Inglaterra para poder acompanhar as últimas tendências da música pop. A mãe de 33 anos de Linda (10) e Christian (5) não tem planos semelhantes.

"Para a Inglaterra? Não, se eu deixasse a Suécia eu me mudaria para um país com um clima agradável. Eu me sinto melhor com o sol na minha cabeça. Mas eu teria de pensar seriamente se eu tivesse de escolher um país. É bom ter sol todos os dias, mas você tem que se sentir seguro também. Isso não é um problema na Suécia, mas - além do clima - há muitas coisas que me irritam. Mas eu não quero entrar nisso, é simplesmente uma opinião pessoal. Além disso, cada país deixa algo a desejar se você sabe disso muito bem. A ideia de mudança para o exterior não será discutida antes que as crianças fiquem mais velhas e eu esteja menos compromissada."

O pouco entusiasmo de Agnetha quanto ao seu país de origem é causado em parte pela perseguição dos tabloides. Seu divórcio com o colega Björn, seu relacionamento com o astro do hóquei no gelo Lars-Erik Erikson e o seu agora arrefecido amor pelo policial Thorbjörn Brander - a princípio o guarda-costas dos seus filhos - transformou Agnetha na mais importante fonte de inspiração para todos os tipos de boatos e especulações. Quando a sua atuação como uma mulher grávida no filme sueco "Raskenstam" foi deliberadamente confundida com a sua própria vida, ela deu um basta nisso.

Uma longa carta ao editor do maior jornal sueco - Dagens Nyheter - sob o dispositivo de "saber o que você está lendo, esta é a forma que algumas revistas exercem o seu trabalho neste país", entrou em uma discussão nacional. "Eu ainda estou orgulhosa disso, porque mais do que nunca agora as pessoas estão falando em dar um chega pra lá nos caluniadores. Era uma loucura o que eles estavam escrevendo sobre mim, todo tipo de pessoa me incomodava me perguntando se eu estava grávida ou não e por que o meu namorado havia me deixado."

Quatorze anos atrás - quando ela tinha acabado de voltar de uma tentativa de seis meses para conquistar a Alemanha com a sua voz - Agnetha interpretou um dos papéis principais na versão sueca de Jesus Christ Superstar. Depois disso vieram os clipes promocionais e o ABBA - The Movie, mas ela não atuou seriamente até as filmagens de Raskenstam no ano passado. As boas experiências com o ator e diretor Gunnar Helström no filme sobre um patife nacional que fazia amor com toda mulher reacendeu o seu amor por atuar.

"Eu não quero me concentrar apenas em cantar, mas se for possível quero me desenvolver como atriz também. A forma como o público julgar Raskenstam é tão importante para mim como a receptividade dos meus discos. Estou muito curiosa sobre as reações. Estou muito satisfeita comigo mesma, mas isso não diz muito. Mas eu vou ter de esperar até a sua estreia depois do verão. "Fanny & Alexander" é agora muito bem sucedido nas salas de cinema suecas. É por isso que a nossa estreia foi adiada alguns meses. Dependendo do sucesso de Raskenstam, vou decidir se vou aceitar outros convites. Há um convite do exterior que é muito interessante, mas eu não estou autorizada a falar sobre isso ainda. Eu acho que só posso aceitar um convite como esse quando eu estiver crível pelas pessoas e não porque eu seja a garota loira do ABBA."

Uma batida na porta. Mary está de volta novamente para levar Agnetha. Será que ela não se cansa disso? "Eu cresci neste ambiente. Meu pai, que montou uma companhia de teatro em Jönköping, me fez subir ao palco para cantar aos seis anos de idade. Depois disso, eu sempre quis ser uma cantora. E tudo o que se agita em torno disso, faz parte disso", ela sorri mais uma vez.


Por Willem Schot

Fonte: ABBA Articles - Entrevista publicada originalmente na revista holandesa Panorama em 1983, durante a viagem promocional de Agnetha à Holanda

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

ABBAWORLD retorna a Sydney!

Após mais de 30 anos desde a primeira apresentação do ABBA ao vivo na Austrália, no Sydney Showgrounds em Moore Park, naquela noite chuvosa de 3 de março de 1977, o ABBA vai voltar a Sydney na primeira exposição oficial sobre a sensação mundial da música pop dos anos 70. A exposição ABBAWORLD estará aberta exclusivamente em Sydney, no Museu Powerhouse, a partir de 17 de dezembro de 2010.

A exposição irá capturar a música, as lembranças e a magia que fez do grupo sueco um fenômeno mundial cuja música continua a atrair novas gerações de fãs quase quatro décadas depois.

O membro da banda Björn Ulvaeus disse: "Sempre pareceu a mim que as pessoas da imprensa e também da indústria musical achavam que o ABBA teria apenas um sucesso. Por que seríamos diferentes de qualquer outro vencedor do Eurovision?"

"Nós realmente travamos uma batalha morro acima depois de Waterloo e os singles seguintes que não foram bem. Em seguida os australianos vieram em nosso socorro. Eles lançaram SOS e Mamma Mia e ambas as canções subiram nas paradas em um longo caminho partindo de baixo. De repente todos ao redor do mundo perceberam que havia vida na banda que eles supunham estar morta. Serei eternamente grato aos australianos por isso!"

ABBAWORLD verificará de onde os quatro membros do grupo vieram, a formação e o sucesso do ABBA e os anos após o ABBA. Será mostrada a primeira grande apresentação ao vivo internacional do ABBA, a primeira vitória sueca no Eurovision Song Contest em 1974, suas aclamadas turnês incluindo a turnê australiana de 1977 e o impacto da sua música que inspirou vários filmes de sucesso e um musical - O Casamento de Muriel, Priscila a Rainha do Deserto e Mamma Mia!.

A exposição contará com mais de 20 figurinos originais, o resumo da moda glam dos anos 70, as filmagens dos concertos ao vivo, promoções e bastidores das sessões de fotografias, arte dos álbum e outras recordações do ABBA, bem como entrevistas exclusivas com os membros Björn Ulvaeus, Benny Andersson, Anni-Frid Lyngstad e Agnetha Fältskog.

Réplicas de um camarim do ABBA, onde uma equipe de responsáveis pelo traje e maquiagem dos artistas trabalharam; do estúdio de composição em Viggsö - uma ilha no arquipélago de Estocolmo - onde muitas das canções mais populares do ABBA foram compostas, e do próprio estúdio de gravação do ABBA - Polar Studio em Estocolmo - onde eles gravaram seus dois últimos álbuns, serão apresentados na exposição.

O visitante poderá reviver as músicas do ABBA, cantar e dançar à sua maneira com a exposição usando uma série de interatividades. Estas irão incluir um palco com o ABBA, dança em um vídeo do ABBA, gravação de canto com o ABBA e fotografias de si mesmo na capa de um álbum do ABBA.

A exposição vem da Suécia após a sua estreia de sucesso em Londres em janeiro passado e de uma temporada na Federation Square em Melbourne no início deste ano. Para a temporada de Sydney, um novo conteúdo sobre as aparições do grupo na Austrália e seu impacto na cultura pop australiana serão acrescentados à exposição pelo Museu Powerhouse.

Segundo Magnus Danielsson, presidente de exposições itinerantes, o produtore da ABBAWORLD: "Nenhum grupo teve tanto sucesso cruzado, trazendo fãs de todas as idades juntos, criando pontes entre as gerações e as diferenças culturais. Esta é uma oportunidade única para a população de Sydney ver o material original do ABBA." Danielsson continua: "A exposição de Sydney estará funcionando em paralelo com a exposição ABBAWORLD em Györ, na Hungria. ABBAWORLD tem um apelo universal e nós temos trabalhado duro para torná-la disponível aos fãs ao redor do globo."

Por mais de 35 anos o ABBA tem mantido o sucesso internacional com as suas canções que permanecem fixas nas rádios até hoje. O ABBA é um dos três artistas mais vendidos no mundo, tendo vendido 375 milhões de discos no mundo inteiro. Eles ainda vendem mais de 3 milhões de discos por ano.

ABBAWORLD
Datas: 17 de Dezembro de 2010 a 6 de Março de 2011
Endereço: Powerhouse Museum, 500 Harris Street, Ultimo, Sydney

Website: www.powerhousemuseum.com
Horário: 10:00 - 17:00 (fechado no dia de Natal)

Fontes: Abbasite e Abbaworld

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Hitkrant,1977: A música está no sangue de Benny!

Cada membro do ABBA tem algo que faz eles ou elas se destacarem. Com Benny Andersson isso nem sempre é tão óbvio. Afinal ele é um jovem calmo e bastante discreto. Mas Benny tem uma arma secreta e a sua vida companheira Anni-Frid revela qual é: "Benny é o homem ideal, porque ele tem muito charme e senso de humor. É por isso que todas as mulheres se apaixonam por ele."

Benny se mostra um pouco reservado ao ouvir estas palavras, mas ele ainda confirma: "Sim, isso é realmente verdade. Durante o período em que eu tocava com o Hep Stars, eu realmente poderia ter as garotas que eu quisesse; na época eu achava isso incrível. Mas agora Anni-Frid pode ter quantos homens ela quiser também. Estamos empatados!"

Benny nasceu em Estocolmo no dia 16 de dezembro de 1946 e na verdade ele já ouvia música desde o berço: seus pais faziam música e seu avô lhe ensinou os princípios básicos. Quando ele tinha seis anos conseguiu o seu primeiro acordeão. Quando tinha sete anos já havia começado a se apresentar, juntamente com os seus pais. Na verdade ele nunca teve quaisquer lições musicais de fato, mas a música está no sangue de Benny!

Até os dezessete anos ele continuou a se apresentar junto com os seus pais e nesse meio tempo ele conheceu Cristina Grönvall, uma garota por quem ele ficou perdidamente apaixonado. Quando Benny tinha quinze anos o casal ficou noivo, mas o casamento deteriorou-se mais tarde. Foi dissolvido e os dois filhos, Helena e Peter, ficaram com Cristina.

Quando Benny estava tocando com o grupo Elverkets Spelmanslag, a futura famosa banda The Hep Stars chegou a vê-los uma noite. Coincidentemente eles estavam à procura de um tecladista e em 1964 Benny se juntou ao grupo. Foi quando tudo começou: a mídia sueca os rotulou de "Beatles Suecos". Eles conquistaram a sua grande revelação com uma canção chamada "Cadillac": o Hep Stars ficou famoso.

Mas financeiramente tudo era uma grande bagunça: pagar impostos, ninguém nunca tinha ouvido falar de tal coisa. Isso foi muito difícil por alguns anos e também durante o período do ABBA em que Benny teve de voltar ao passado para pagar todos os tipos de dívidas antigas, ainda mais porque ele atribuía muito pouco valor ao dinheiro e facilmente cedia centenas de florins holandeses quando achava que alguém precisava deles. Stig Anderson não foi totalmente capaz de corrigir esse hábito.

O resto é história: em 1966, Benny conheceu o seu futuro parceiro no ABBA Björn e com isso foram lançadas as bases para um dos grupos pop mais famosos que a música já conheceu. Benny encara isso com muita naturalidade, um simpático jovem que prefere passar o seu tempo sentado em sua ilha e compondo. Mas que ainda tem a sua arma secreta!



Fonte: ABBA Articles - Artigo original publicado na revista Hikrant em outubro de 1977

sábado, 13 de novembro de 2010

Parabéns, Frida!


No próximo dia 15 de Novembro Anni-Frid Lyngstad (ou simplesmente Frida) completará 65 anos de uma vida intensa. Beleza, talento, sucesso e superação são apenas palavras que poderiam traduzir a sua trajetória partindo de uma aldeia gelada da Noruega até a consagração mundial com o ABBA. Neste dia especial oferecemos o nosso agradecimento e também o desejo de que a paz e a luz interior sejam sempre constantes na sua vida. Parabéns Frida, que Deus a abençoe!

***

Anni-Frid Synni "Frida" Lyngstad nasceu no dia 15 de novembro de 1945 em Bjørkåsen, uma pequena aldeia em Ballangen próxima a Narvik, no norte da Noruega, como resultado de uma ligação entre Synni Lyngstad (19 de junho de 1926 - 28 de setembro de 1947) e um soldado alemão, Alfred Haase (1919 - janeiro de 2009), pouco antes do final da Segunda Guerra Mundial e da ocupação alemã da Noruega. O pai de Frida voltou para a Alemanha quando suas tropas foram evacuadas.

No início de 1947, Frida, sua mãe e sua avó materna, Arntine Lyngstad (Agny), deixaram a sua cidade natal por medo de represálias contra os que tiveram relações com os alemães durante a ocupação. Isto poderia implicar não apenas insultos, mas também a separação forçada de crianças de seus pais e familiares. Frida foi levada por sua avó para o outro lado da fronteira com a Suécia, onde se instalaram na região de Härjedalen e sua avó pegava qualquer trabalho que encontrasse. Sua mãe ficou para trás na Noruega e trabalhou por um tempo no sul do país, mas logo juntou-se à mãe e à filha na Suécia, e as três mudaram-se para uma cidade chamada Malmköping (a 45km de Estocolmo). Pouco tempo depois, sua mãe morreu de insuficiência renal aos 21 anos.

Frida foi criada unicamente pela sua avó. Em junho de 1949, ambas mudaram-se para a cidade de Torshälla (próximo a Eskilstuna), onde Agny Lyngstad logo encontrou trabalho como costureira. Frida Lyngstad cresceu em Torshälla e começou a frequentar a escola em agosto de 1952. O contato próximo com a família na Noruega (notadamente com seu tio e as quatro tias) continuou, e Frida recorda as animadas férias de verão que passava com eles em sua terra natal. Ela era especialmente próxima de uma tia chamada Olive, que certa vez declarou que percebeu o quanto Frida era solitária e subjugada e, como resultado, sempre deu o melhor de si para que ela se sentisse amada a bem vinda durante as visitas.

Frida acreditava que seu pai, Alfred Haase, havia morrido durante a guerra no caminho de volta para a Alemanha, já que o seu navio foi relatado como naufragado. No entanto, em 1977 a revista alemã adolescente Bravo publicou um pôster e uma biografia completa com detalhes do passado de Frida, incluindo os nomes do seu pai e da sua mãe. Isto foi visto pelo seu meio irmão alemão, Peter Haase, que perguntou a seu pai se ele havia estado em Ballangen durante a guerra. Alguns meses depois, Frida encontrou o seu pai em Estocolmo pela primeira vez.

Frida afirmou em várias entrevistas que sua avó cantava muitas canções para ela (sobretudo antigas canções norueguesas), o que resultou no seu amor pela música. Ela logo mostrou seu talento musical em idade precoce, começando nos seus primeiros anos na escola. Às sextas-feiras muitas vezes a sua professora pedia para ela cantar na frente da sala e logo ela se tornou conhecida na escola e no bairro pela sua bela voz. Apesar de sua avó incentivá-la a cantar (de acordo com a própria Frida), ela nunca participou de qualquer uma das suas apresentações. Sua avó morreu pouco antes da formação do ABBA e portanto nunca experimentou o sucesso do grupo.

Aos 13 anos, em 1958, ela conseguiu o seu primeiro emprego em uma banda schlager, a orquestra Evald Eks.l Ele relembra: "Era difícil de acreditar que uma pessoa tão jovem pudesse cantar tão bem. Era muito fácil ensaiar com ela e ela nunca ficava tímida no palco. A única coisa que ensinei a ela foi a cantar. Naquela época ela tinha uma tendência de reter um pouco a sua voz". Com a orquestra Evald Eks, Frida então com 13 anos apresentava-se todo fim de semana diante de uma plateia dançante. Os números geralmente duravam até cinco horas. As músicas que ela mais gostava de cantar eram "All of Me", "Night and Day" e "Begin the Beguine". Para avançar e desenvolver-se ela também começou a ter aulas de canto. Mais tarde ela juntou-se a uma "big band" de 15 membros, que executava um repertório de jazz abrangendo Glenn Miller, Duke Ellington e Count Basie; seus ídolos vocais eram Ella Fitzgerald e Peggy Lee. Em 1963 ela formou a sua própria banda, Anni-Frid Four.

Em 3 de abril de 1963, aos 17 anos, Frida casou com o vendedor e parceiro musical Ragnar Fredriksson. Eles tiveram dois filhos: Hans Ragnar (nascido em 26 de janeiro de 1963) e Ann Lise-Lotte (25 de fevereiro de 1967 - 13 de janeiro de 1998). Eles se separaram no início de 1969 e se divorciaram oficialmente no dia 19 de maio de 1970. No mesmo dia, a avó de Frida, Arntine, morreu aos 71 anos. Em fevereiro de 1969, Frida conheceu Benny Andersson e ficaram noivos em agosto. Em 1971 eles estavam morando juntos, mas não se casaram até 6 de outubro de 1978, durante o auge do sucesso do ABBA. No entanto, após apenas três anos de casamento, eles se separaram em fevereiro de 1981 e se divorciaram em novembro do mesmo ano.

Em 3 de setembro de 1967 Frida venceu o concurso nacional sueco de talentos, "New Faces", organizado pela gravadora EMI e realizado em Skansen, Estocolmo. A música que ela escolheu para cantar foi "En Ledig Dag". O primeiro lugar do concurso assinaria um contrato com a EMI Sweden. Frida não sabia, mas o vencedor do concurso também estava sendo esperado para aparecer na mesma noite no programa de TV mais popular do país na época, Hylands Horna. Isso aconteceu no mesmo dia em que a Suécia mudou a direção do lado esquerdo da estrada para o lado direito. Dirigir nesse dia seria algo desanimador, por isso a maioria da nação estava assistindo TV à noite. Frida apresentou a sua canção vencedora ao vivo.

Esta primeira exposição diante de um público maior na televisão causou sensação e muitas gravadoras e produtores contataram Frida imediatamente. Os executivos da EMI, temendo que pudessem perder a sua nova vocalista, tomaram a precaução de levar Frida de Estocolmo para a sua casa em Eskilstuna na manhã seguinte com um contrato de gravação para ela assinar. O produtor da EMI Olle Bergman lembra: "Estávamos muito interessados e gostamos dela e achei que ela tivesse tudo o que uma pessoa precisa para se tornar algo."

Em 11 de setembro de 1967 Frida gravou os vocais para "En Ledig Dag", que viria a ser o seu primeiro single pela EMI Sweden. Profissional e autoconfiante neste primeiro dia no estúdio, ela gravou os vocais em apenas um take. As primeiras canções que ela gravou para a EMI Sweden foram incluídas na compilação da EMI "Frida 1967-1972", digitalmente remasterizada e lançada pela EMI Sweden em 1997.

Em 29 de janeiro de 1968 ela cantou essa música na TV nacional, e nesta ocasião conheceu rapidamente a futura parceira no ABBA Agnetha Fältskog, que também apresentou o seu primeiro single no mesmo programa. Frida viajou pela Suécia em 1968 e gravou vários singles para a EMI. Ela decidiu então se mudar para Estocolmo para começar a trabalhar em tempo integral como cantora. Em 1969 ela participou do Melodifestivalen - o aquecimento sueco para o Eurovision Song Contest - com a canção "Härlig är vår jord" e terminou em quarto lugar. Nos bastidores, ela conheceu o seu futuro esposo Benny Andersson, que também participou do concurso como compositor. Eles logo se encontraram novamente em outro local e em seguida tornaram-se um casal.

O seu primeiro álbum, "Frida", produzido pelo seu então noivo Benny Andersson, foi lançado em 1971. O álbum recebeu elogios unânimes generosos por parte dos críticos e da imprensa, que notaram especialmente a precisão e a versatilidade da voz de Frida. Frida continuou a cantar em cabarés, a viajar e se apresentar regularmente na TV e no rádio. Posteriormente, o seu relacionamento com Benny e o relacionamento de Björn Ulvaeus com Agnetha Fältskog levaram à formação do ABBA. Em 1972, após cinco anos na EMI Sweden, Frida mudou de gravadora e foi para a Polar Music.

Na início Frida estava hesitante em se apresentar com o namorado Benny Andersson, o seu melhor amigo Björn Ulvaeus e a sua namorada, Agnetha Fältskog. O seu primeiro projeto em conjunto foi o espetáculo cabaré Festfolk, que fracassou no inverno de 1970-1971. No ano seguinte, Frida viajou sozinha enquanto os outros três futuros membros do ABBA começaram a se apresentar juntos regularmente. Finalmente então ela se juntou a eles. Benny e Björn estavam ocupados produzindo outros artistas, mas logo descobriram as qualidades das vozes combinadas de Frida e Agnetha: o ABBA havia nascido.

O seu próximo álbum solo em sueco foi "Frida Ensam", produzido por Benny Andersson. Na época ela já estava envolvida com o ABBA. Este álbum inclui a sua bem sucedida versão sueca de "Fernando", que se tornou um enorme sucesso na Escandinávia. Na Suécia "Fernando" ficou em primeiro lugar nas paradas por dez semanas. O álbum foi gravado entre as sessões dos álbuns do ABBA "Waterloo" e "ABBA". Devido à crescente popularidade do grupo, o álbum levou 18 meses para ser gravado. "Frida Ensam" tornou-se um enorme sucesso comercial e de crítica na Escandinávia, permanecendo no topo das paradas suecas por seis semanas e continuando ainda por mais 40 semanas em outras posições.

Com sua voz quente mezzo-soprano, Frida contribuiu com vocais principais em alguns dos maiores sucessos do ABBA como "Fernando", "Money, Money, Money", "Super Trouper", "I Have a Dream", "Knowing Me, Knowing You" e compartilhou os vocais com Agnetha Fältskog em "Mamma Mia", "Waterloo", "Dancing Queen", "The Name of the Game", "Voulez-Vous", "Summer Night City" e outros. Ela ficou conhecida como "a morena" ou "a ruiva", sempre envolvida por uma atmosfera de elegância e beleza.

Frida claramente gostou mais dos holofotes do que os outros três membros do ABBA. Ela era a única dos quatro que realmente gostava de fazer uma turnê e falar com o público de um por um. Ela tomou um papel ativo no co-desenho dos famosos figurinos do ABBA para as suas viagens e apresentações na TV. Desde que os membros do ABBA partiram para caminhos separados, Anni-Frid Lyngstad é a única que lamenta abertamente o fato de nunca ter havido uma reunião.

Em 1982, durante o último ano do ABBA como uma banda, Frida gravou e lançou o seu primeiro álbum solo pós-ABBA. "Something's Going On", produzido por Phil Collins, foi também o seu primeiro álbum solo em inglês e se tornou um grande sucesso em todo o mundo para Frida. Um som muito mais agitado era encontrado em muitas das canções e a bateria especial de Phil Collins contribuiu muito, especialmente no primeiro single. O álbum vendeu 1,5 milhões de cópias e gerou o single de sucesso "I Know There's Something Going On", que liderou as paradas na Suíça, Bélgica, Costa Rica e França, onde permaneceu em primeiro lugar durante cinco semanas. A canção também alcançou o Top 5 na Alemanha, Áustria, Holanda, Noruega e Austrália, entre outros. Nos Estados Unidos, o single alcançou um respeitável 13º lugar em março de 1983 na Billboard Hot 100 - permanecendo sete meses na parada - e 9º na Radio & Records. Este single vendeu 3,5 milhões de cópias em todo o mundo e é o disco solo mais vendido de qualquer um dos quatro ex-membros do ABBA. Devido ao sucesso desse álbum e seu primeiro single, Frida foi eleita a "Melhor Artista Feminina do Ano" de 1982 pelos leitores do jornal Aftonbladet, recebendo o prêmio Rockbjörnen. Em 1982, Frida saiu da Suécia e se mudou para Londres.

O próximo álbum de Frida foi o experimental "Shine", lançado em 1984. Este álbum foi gravado nos estúdios De La Grande Armée em Paris, na França, e produzido por Steve Lillywhite, conhecido por seu trabalho com artistas como Peter Gabriel, U2, Rolling Stones e Morrissey, entre outros. O jovem produtor Lillywhite tinha apenas 25 anos quando este álbum foi gravado e deu a Frida um som muito experimental, conseguindo criar um ambiente descontraído no estúdio. O álbum alcançou o Top 20 em muitos países europeus e o 6º lugar na Suécia, sendo esta a sua posição mais alta. Um dos compositores e vocalista de apoio para o álbum foi Kirsty MacColl, que morreu em um acidente de barco no México em dezembro de 2000. Em 1986, Frida se mudou para a Suíça e em 1988 ela tornou-se avó quando sua filha, Ann Lise-Lotte, deu à luz um filho chamado Jonathan.

Em 1990 Frida tornou-se um membro do comitê da organização ambientalista sueca Det Naturliga Steget (Passo Natural). A organização queria um "rosto famoso" para ajudá-los a atingir o público, e em 1991 ela se tornou presidente da organização Artister För Miljön (Artistas pelo Meio Ambiente). Em 26 de Agosto de 1992, Frida se casou com um nobre alemão que era cinco anos mais novo que ela - o falecido arquiteto Príncipe Heinrich Ruzzo Reuss de Plauen (24 de maio de 1950 - 29 de outubro de 1999). Neste casamento ela recebeu duas enteadas, as gêmeas Princesa Henriette Reuss e Princesa Pauline Reuss (ambas nascidas em 2 junho de 1977 em Oslo, Noruega). O príncipe Ruzzo morreu de linfoma em 1999; um ano antes, em 13 de janeiro de 1998, a filha de Frida, Ann Lise-Lotte Casper (nascida Fredriksson), morreu por causa de ferimentos sofridos em um acidente de carro em Livonia, Michigan - um subúrbio de Detroit - nos Estados Unidos.

Em 1996, Frida gravou seu álbum em sueco "Djupa Andetag" (Respirações Profundas). Este foi um álbum muito aguardado pois doze anos haviam se passado desde que "Shine" foi lançado. O álbum em geral atraiu críticas positivas, foi um grande sucesso na Escandinávia e chegou ao primeiro lugar na Suécia. Frida fez muitas aparições na TV na Suécia, Noruega, Dinamarca e Finlândia para promovê-lo. Apesar do fato de Djupa Andetag ter sido lançado oficialmente somente na Escandinávia e as músicas serem inteiramente cantadas em sueco, um álbum de remixes dos singles "Aven En blomma", "Alla Mina Bästa ar" (um dueto com Marie Fredriksson, do Roxette) e "Ögonen" foi lançado na Alemanha em 1998, intitulado "Frida - The Mixes". Um álbum posterior com o produtor Anders Glenmark foi noticiado na época, mas foi arquivado devido à morte da filha de Frida em 1998.

Em 2004, Frida apareceu ao lado dos ex-companheiros de banda Benny Andersson e Björn Ulvaeus na apresentação comemorativa dos cinco anos do musical "Mamma Mia!" em Londres. Em 2005 ela juntou-se aos outros três ex-colegas do ABBA na estreia sueca do "Mamma Mia!" no teatro Cirkus, em Estocolmo. Em 2008 os quatro ex-membros do ABBA apareceram juntos pela primeira vez em público em muitos anos na première do filme "Mamma Mia", ocorrido no Hotel Rival em Estocolmo, Suécia. Em janeiro de 2009 Frida compareceu ao lado de Agnetha à premiação Rockbjörnen, quando ambas receberam o prêmio em nome do ABBA pelo conjunto de sua obra. E em 2010, ao lado de Benny Andersson, Frida compareceu à introdução do ABBA no Rock'n Roll Hall of Fame, sendo recebidos por Barry e Robin Gibb (Bee Gees).

Em setembro de 2010, um novo álbum do músico Georg Wadenius intitulado "Reconnection" foi lançado. Frida e George haviam discutido sobre uma colaboração por vários anos, já que eles são bons amigos há muito tempo. O álbum é aberto com a sua interpretação da música tradicional "Morning Has Broken", popularizada por Cat Stevens. Esta canção de Cat Stevens é uma das favoritas para Frida e também foi tocada na igreja no seu casamento com o Príncipe Ruzzo em 26 de agosto de 1992.

Atualmente, Frida ainda está engajada em trabalhos de caridade - especialmente em movimentos de proteção ambiental. Em 2005 ela declarou em uma entrevista que não tinha interesse em retornar algum dia a uma carreira musical. Atualmente Frida vive em Zermatt, na Suíça.

Fontes: Frida Now & Then, Bright Lights Dark Shadows by Carl Magnus Palm, Abbamikory e Raffem.




Ver também "Parabéns, Agnetha!"

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Agnetha, 1981: Eu acredito em uma força superior

Muitas vezes me perguntam qual profissão eu gostaria de ter tido se não houvesse me tornado uma cantora. Eu acho que eu teria trabalhado com crianças. Eu poderia ter sido uma professora, talvez uma professora de canto. Embora eu sempre quisesse ser uma dentista quando ainda estava na escola. Eu estava muito interessada nisso. Mas eu já havia começado a cantar profissionalmente quando tinha quinze anos. Além disso, eu perdi o meu interesse em dentes. Desde então estou totalmente ocupada com o meu trabalho e aproveito em dobro o pouco tempo livre que tenho.

Sempre que tenho um dia de folga, pelo menos faço uma corrida no parque. Estes dias eu só consigo fazer isso duas vezes por semana. Aproximadamente dois ou três quilômetros. Além disso eu nado bastante e gosto de ouvir música. Eu adoro música clássica, especialmente Tchaikovsky. Eu não gosto de rock pesado. Obviamente eu passo a maior parte do meu tempo livre com os meus filhos, eu raramente saio. A moda não é muito importante para mim, eu gosto de dar uma olhada mas não compro as últimas tendências. As tendências mudam tão frequentemente que prefiro manter o meu estilo pessoal. Eu não me refiro à moda punk e a essa onda toda absolutamente. Eu acredito que o punk é um grito de socorro da geração jovem.

Eu tenho as minhas próprias percepções sobre o relacionamento com um homem. Na minha opinião, a honestidade é a coisa mais importante em um relacionamento. E confiabilidade - que você possa confiar em alguém. Isso cria uma atmosfera em que pode se sentir seguro.

Infelizmente hoje em dia muitos jovens estão tentando substituir o sentimento de segurança com as drogas. Eu rejeito as drogas e sinto muito por todas as pessoas que usam drogas, elas devem ser muito infelizes. Principalmente aqui na Suécia isso é muito ruim. Muito jovens adolescentes já estão usando, isso me assusta. Eu mal fumo, talvez apenas em festas. Quando estou sozinha eu tento evitar cigarros. Quanto a beber - bem, eu gosto de tomar uma taça de vinho tinto ou champanhe de vez em quando, mas bebidas alcoólicas absolutamente não.

Em entrevistas sou sempre perguntada como eu era na escola. No começo eu estava indo muito bem, mas com doze ou treze anos isso começou a descer um pouco ladeira abaixo. Eu odiava Física e Química, em Matemática estava indo bem. Eu amava música, Inglês e Alemão também por isso, eu era muito boa em línguas. Eu era conhecida como uma aluna calma na escola. Apenas algumas vezes os professores se opuseram ao meu comportamento quando troquei mensagens com meus amigos. Às vezes nós enviávamos chicletes uns aos outros dessa maneira, ou comunicávamos os últimos assuntos sobre os garotos, como havia sido a noite anterior ou algo parecido.

Na época os meus ídolos pop eram Connie Francis, Neil Sedaka, Brenda Lee, Dusty Springfield e Sandy Shaw. Minha música favorita é "Soul Shadows" dos The Crusaders. Além desses eu gosto de ouvir as Pointer Sisters.

Agora algo sobre minhas características próprias. Eu sou muito honesta porque espero que os outros também o sejam. Eu acho que sou generosa também. E eu sou uma mãe de corpo e alma, amo os meus filhos mais do que tudo. Minha pior característica é que sou muito teimosa, eu raramente tomo o conselho dos outros porque acredito que sempre sei o que é melhor para mim. Mas as coisas têm sempre funcionado bem com este método. Se é bom ou ruim, sempre formo a minha própria opinião sobre as coisas, quando se trata de música ou filmes também. Eu realmente sou uma fã de cinema, particularmente gosto de filmes de Polanski. Eu acho "Um Estranho no Ninho" especialmente bom, gosto de filmes que fazem você pensar. Eu não ligo muito para filmes de ficção científica. Meus atores favoritos são Jill Clayburgh e Gene Wilder. Eu sou fascinada por cenas de ação. Por exemplo, particularmente gosto de dirigir meu carro também. Eu passei no meu teste de direção muito rapidamente. Eu tinha dezoito anos quando tirei a minha carteira de motorista.

Quando se trata de religião: sim, eu acredito em Deus. Mas eu não vou à igreja regularmente, mas pelo menos no Natal. Eu acredito em uma força superior. Por outro lado, horóscopos me deixam indiferente. Ainda que eu os leia de vez em quando é sempre divertido quando uma predição é verdadeira. Mas eu só absorvo as coisas positivas em horóscopos, rapidamente esqueço o resto.

Em geral tenho uma atitude muito positiva na vida. Mas se eu pudesse voltar atrás acho que preferiria ser uma pessoa diferente. Eu cometi muitos erros, mas nenhum deles foi tão ruim que eu me arrependa deles. Até agora, eu vivi a minha vida fiel ao meu caráter. Meu principal objetivo na vida é ser uma pessoa que é aceita pelos outros e de quem todo mundo gosta.

Apesar de gostar de estar com outras pessoas, só existem algumas poucas delas que eu levaria para uma ilha deserta. Entre elas estão os meus filhos e um homem. Mas só um - não mais. Além disso eu embalaria algo para comer e música das Pointer Sisters, Crusaders, Donna Summer e Barbra Streisand.

Fonte: ABBA Articles - Publicado na revista alemã Bravo em 1981
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...