terça-feira, 5 de abril de 2011

Parabéns, Agnetha!


Hoje é o aniversário de Agnetha Fältskog. E como homenagem deixo aqui um pequeno esboço biográfico dessa estrela que há décadas encanta o mundo. Que Deus a abençoe sempre com muita paz e felicidades!


***

Agneta Åse Fältskog nasceu no dia 5 de abril de 1950 em Jönkoping, na província de Småland, no sul da Suécia. Ela foi a primeira das duas filhas do extrovertido e talentoso Knut Ingvar Fältskog (1922-1995) e de sua esposa Birgit Margareta Johansson (1923-1994), uma dona de casa tímida. Sua irmã mais nova, Mona Fältskog Ericsson, nasceu cinco anos depois e hoje trabalha como enfermeira em Estocolmo. Ingvar Fältskog demonstrava muito interesse em música e no show business e realizava constantemente shows de variedades na região, enquanto Birgit Fältskog era uma mulher muito calma e cuidadosa que se dedicava às suas filhas e ao marido.

Agnetha Fältskog compôs sua primeira canção com apenas cinco anos de idade, chamada "Två små troll". Na época ela ia todos os dias ao apartamento dos vizinhos amigos de seus pais para tocar piano, já que na sua casa ainda não tinha o instrumento. Aos sete anos ela ganhou de seus pais seu primeiro piano, em 1958 começou a ter aulas e cantar no coro da igreja Kristina, onde também tocava cravo.

Em 1963 Agnetha se juntou a duas amigas, Lena Johansson e Elisabeth Strub, e formou um trio musical chamado The Cambers, que se apresentava em pequenos espaços.

Em 1964 o seu professor de piano decidiu parar com as aulas pois já não tinha mais o que lhe ensinar, o que a deixou animada a prosseguir na busca de suas ambições artísticas. No natal do mesmo ano Agnetha ganhou uma vitrola amarela, no livro "As I Am" ela lembra que ficava horas cantando em frente ao espelho enquanto escutava seus artistas preferidos, sobretudo Connie Francis. Mais tarde seu estilo seria comparado com o da cantora americana.

Em 1965 Agnetha começou a fumar e tinha que pagar a Mona para ela não contar nada aos pais. Mona lembra que espionava Agnetha com seus namorados e se divertia em fazê-los notar sua presença justamente no momento em que iam beijar ou abraçar a irmã, apenas para constrangê-los.

Aos 15 anos, Agnetha decidiu deixar a escola após o término do curso secundário e procurou um emprego. Ela então começou a trabalhar como telefonista para uma revendedora de carros chamada Attiviks. Foi também nessa época que o trio The Cambers se dissolveu e Agnetha soube que a banda de Bernt Enghardt estava procurando uma nova vocalista, ela então fez um teste e logo foi contratada. Um fato curioso é que a vocalista anterior da banda se chamava Agnetha (com h) e por motivos particulares precisou deixar a banda, mas os cartazes já haviam sido impressos e com a contratação de Agneta ela precisou acrescentar o h, tornando-se assim Agnetha Fältskog.

A banda de Bernt Enghardt logo se tornou tão popular na região que ela teve que escolher entre seu trabalho e sua carreira musical, pois muitas vezes eles chegavam em casa após os shows na manhã do dia seguinte e ela ainda precisava trabalhar cedo. Até que um dia ela desmaiou e sua mãe a obrigou a escolher entre o trabalho e a carreira, ela nem pensou duas vezes e ficou com a música. Agnetha continuou a cantar com a banda por mais dois anos.

Em 1967, Agnetha rompeu com o então namorado Björn Lilja. Este evento a inspirou para escrever uma canção que logo a colocou em evidência, "Jag var så kär". Nessa época, Karl Gerhard Lundkvist (Little Gerhard), parente de um dos membros da banda de Enghardt, havia se aposentado de uma carreira de sucesso no "rock and roll" e começou a trabalhar como produtor musical e caçador de talentos da gravadora Cupol Records, do grupo CBS. Bernt Enghardt pediu então à banda que gravassem uma fita demo para enviar a Little Gerhard, mas depois Lundkvist demosstrou interesse apenas por Agnetha e sua canção e ligou para convidá-la a ir a Estocolmo gravar duas músicas compostas por ela mesma. Apesar de animada com a possibilidade, Agnetha ficou preocupada porque ele não estava interessado na banda e não seriam incluídos na gravação. No entanto, ela decidiu aceitar o convite e no dia 16 de outubro de 1967 Agnetha partiu com seu pai em um trem rumo a Estocolmo, afinal ela ainda era muito jovem para viajar sozinha...

Agnetha e Ingvar chegaram ao estúdio Philips e logo na entrada ela ouviu os primeiros acordes de sua canção tocada pela orquestra, fato que a deixou muito emocionada. Neste dia ela cantou com sua alma e imediatamente foi contratada pela CBS Records, sendo então convidada no mesmo dia para posar para a capa do seu primeiro single. Nesta noite Agnetha e o pai dormiram na casa de suas tias em Estocolmo, era o iníco de sua nova vida. Little Gerhard disse sobre ela: "Desde o início ela era muito franca sobre as músicas, inclusive as suas próprias composições. Ela dizia o que pensava e sempre soube o que queria... Ela tinha uma cabeça incrivelmente sábia sobre os seus ombros.

Alguns dias depois Agnetha e Ingvar voltaram para casa. Ela ainda cantou com Bernt Enghardts, mas um dia durante o almoço ouviu a sua música no rádio pela primeira vez. Ela diz que foi um dos momentos mais felizes de sua vida. "Jag Var Så Kar" e "Utan Dig" tornaram-se grandes sucessos de vendas.

O álbum de estréia de Agnetha, incluindo o single "Jag Var Så Kar", foi lançado em1968 pela CBS Records e ficou em primeiro lugar na parada de álbuns sueca no dia 28 de Janeiro de 1968. Agnetha também apresentou a música "Försonade" no Melodifestivalen, as eliminatórias suecas do Eurovision Song Contest, mas não foi selecionada para a final.

Seu pai tornou-se então o seu empresário e assumiu as suas finanças. Sobre ele Agnetha diz: "Eu devo muito a ele, sua paciência... e seu encorajamento contribuiu muito para eu ter chegado onde estou hoje. Eu nunca vou esquecer o que ele fez por mim." Agnetha Fältskog havia se tornado a artista mais popular da música pop sueca e seu sucesso continuou durante toda a década de 1960. Em 1968 ela conheceu o compositor e produtor musical alemão Dieter Zimmerman e começaram a namorar. Os seus álbuns foram então alcançando as paradas alemãs e Zimmerman sugeriu que ela conseguiria muito sucesso na Alemanha. Agnetha então assinou um contrato com a Metronome Records e foi para Berlim Ocidental. Ao chegar lá reuniu-se com os produtores musicais e se recusou a atender às suas exigências, descrevendo o material escolhido como "horrível", ainda assim as gravações foram iniciadas.

Ainda em 1968 Agnetha teve que voltar à Suécia para um turnê nos folkparks com a banda de Enghardts. No dia 23 de maio os Hootenanny Singers também se apresentaram e foi então quando Agnetha e Björn se conheceram. Eles ainda se encontraram várias vezes depois desta noite em apresentações, mas Agnetha só pensava no namorado Dieter que havia ficado na Alemanha. No dia 22 de julho do mesmo ano Agnetha e Dieter noivaram em sua casa em Tegelbruksgatan, Jönköping. No dia 30 de setembro ela deixou a banda de Bernt Enghardts e decidiu se mudar para Estocolmo, onde foi morar com a família de Lars Roundqvist, o filho do diretor da Cupol Records. Logo depois ela começou a excursionar com a dupla Sten & Stanley e Marianne Koch por um pequeno período.

Em 1969 Agnetha escreveu várias músicas. Ela gostava de escrever em qualquer lugar, de preferência ao piano com duas velas vermelhas acesas. Seis meses depois Agnetha e Dieter terminaram o noivado, a relação deles era cheia de ciúmes de ambas as partes por causa das separações constantes. No mesmo ano ela lançou o single "Zigenarvän", que falava sobre uma moça convidada para um casamento cigano e ficava apaixonada pelo irmão da noiva. O lançamento coincidiu com um debate acalorado sobre os ciganos nos meios de comunicação suecos e Agnetha foi acusada de deliberadamente tentar ganhar dinheiro com a situação por ter escrito a canção. Em 4 de maio de 1969 Agnetha e Björn foram convidados para se apresentarem no mesmo programa de TV (County the Happy Moments), que seria filmado em Gotemburgo e Malmö. O especial em homenagem a Jules Sylvain foi transmitido em 16 de agosto de 1969 e foi durante as filmagens do programa que eles se apaixonaram. Em agosto eles alugaram um apartamento de três quartos em Lilla Essingen e foram morar juntos.

Em 1970, ela lançou o single "Om tårar vore guld", que foi talvez a sua canção de maior sucesso na Suécia antes do período do ABBA. Isto apesar da reclamação de um compositor dinamarquês que afirmou que ela havia plagiado a sua composição "Tema", embora esta tivesse sido escrita em 1950 e nunca tivesse sido gravada. O caso se arrastou até 1977, quando se chegou a um acordo e Agnetha pagou 5.000 coroas dinamarquesas. No mesmo ano Agnetha e Frida entraram em estúdio juntas para gravarem os vocais de apoio para a música "Hej Gamle Man", planejada para ser lançada no primeiro álbum de Björn e Benny juntos, "Lycka". Este é considerado o primeiro registro musical em estúdio realizado pelos quatro futuros membros do ABBA.

Em 1971 Agnetha Fältskog já havia lançado quatro álbuns, todos com grande sucesso. Em abril ela saiu em turnê nos folkparks com Björn Ulvaeus e Benny Andersson como um trio. Anni-Frid Lyngstad, a namorada de Benny, estava em uma turnê solo no momento. Durante as viagens Agnetha e Björn procuraram um lugar perfeito para se casarem e encontraram um bela igreja em Verum, no sul da Suécia.

No dia 6 de julho eles se casaram, Agnetha chegou em uma carruagem puxada por cavalos brancos e com flores brancas no cabelo. Ela carregava um buquê de rosas e lírios do vale, que são suas flores favoritas. Benny tocou "Wedding March" de Mendelsson no órgão da igreja enquanto eles caminhavam até o altar e depois "Wedding" quando eles saíram. Haviam 300 pessoas dentro da igreja e fora dela cerca de 3.000 pessoas. Depois eles foram conduzidos em uma carruagem pela cidade até o White Horse Inn para uma recepção e jantar de casamento. No caminho haviam pessoas jogando confetes e flores neles. Até o seu cãozinho Ada estava lá nesse dia, sua vida de casada havia começado. "Foi uma época muito boa. Eu me sentia segura e nós tivemos alguns anos realmente bons", recorda Agnetha em sua biografia.

Logo depois os dois casais decidiram fazer uma turnê juntos com o nome "Festfolket", eles se apresentaram em alguns locais mas o resultado não fou muito animador. As garotas também entraram no estúdio para participarem dos vocais de apoio dos próximos singles de Björn e Benny. Este foi praticamente o início do que mais tarde se tornou o ABBA.

Em 1972 Agnetha começou a ensaiar para o musical Jesus Christ Superstar, no papel de Maria Madalena. Ela sempre havia sonhado em atuar e agora era a chance, a peça estreou no dia 18 de fevereiro de 1972 em Gotemburgo e Agnetha compareceu a 6 dos 9 espectáculos. A canção "I Don't Know How to Love Him" atingiu o 1º lugar na Suécia, cantada por ela.

Em março de 1972 Agnetha e Björn, Benny e Frida entraram no Metronome Studios para gravarem a música "Merry-Go-Round" e "People Need Love". Eles sentiram que algo especial estava acontecendo. O single foi lançado creditado a "Benny and Björn & Agnetha and Annifrid". Essas canções tiveram algum sucesso na Suécia. Ainda em 1972 Agnetha e Björn compraram uma casa de veraneio na ilha de Viggsö, onde Stig Anderson também já tinha uma. No mesmo ano Agnetha ficou grávida, o feliz casal estava radiante com o nascimento do primeiro filho.

Em 1973, Agnetha, Björn, Benny e Frida se apresentaram nas eliminatórias suecas para o Eurovision Song Contest em Estocolmo com a canção "Ring Ring", faltavam poucos dias para Agnetha dar à luz. Eles não venceram. No dia 23 de fevereiro de 1973 nasceu Linda Elin Ulvaeus, com três semanas de atraso o parto teve que ser induzido. "Embora a dor fosse incrivelmente grande, este ainda é o momento mais feliz da minha vida." diz Agnetha.

No dia 6 de abril de 1974 ABBA venceu o Eurovision Song Contest em Brighton, Inglaterra, com "Waterloo". Era o início da fama internacional, mas também de suas vidas conjugais. Após viagens pelo mundo e o crescente assédio da imprensa, Agnetha e Björn perceberam que algo estava dando errado entre eles e acharam que um outro filho seria a ponte que os uniriam novamente como um casal sólido e feliz.

Em 1977 planejaram então uma gravidez e depois seguiram rumo à Austrália para uma série de concertos, ao mesmo tempo em que gravaram os shows e os bastidores para o que se tornaria depois o "ABBA - The Movie". O casal decidiu se separar no final de 1978, e Agnetha deixou a sua casa na noite de natal, no dia 25 de Dezembro de 1978.

Em janeiro de 1979 o casal pediu o divórcio, que foi finalizado em junho de 1980. Ambos concordaram em não deixar que o fracasso do seu casamento não interferisse com as suas responsabilidades com o ABBA. O divórcio inspirou Björn Ulvaeus a escrever "The Winner Takes It All", um dos maiores sucessos do ABBA.

Em 1975, na mesma época em que sua colega de banda Anni-Frid Lyngstad estava gravando seu álbum Frida Ensam, Agnetha Fältskog gravou e produziu seu álbum solo Elva kvinnor i ett hus. Estes dois álbuns foram gravados entre as sessões e a divulgação dos álbuns do ABBA "Waterloo" e "ABBA". Mesmo ABBA já sendo um grupo número um na Suécia em 1975, o álbum de Agnetha não conseguiu alcançar o Top 10 nas paradas suecas, atingindo a 11ª posição. Entretanto, Elva Kvinnor I Ett Hus passou 53 semanas consecutivas nas paradas, mais do que qualquer um dos álbuns do ABBA passou, e continha também três sucessos que entraram para a Svensktoppen: sua versão em sueco de "SOS", "Tack För En Underbar Vanlig Dag" e "Doktorn!". Com exceção da versão de "SOS", todas as canções tinham letras de Bosse Carlgren e música da própria Agnetha. O álbum estava em curso desde 1972, quando Agnetha começou a escrever as canções, mas foi adiado por causa do trabalho com o ABBA e sua gravidez. Em 1974, ela e Carlgren tiveram uma idéia para o álbum, que deveria ser composto por 12 canções, cantadas por 12 mulheres diferentes que viviam no mesmo prédio, cada uma com um nome diferente, identidade, etc. No final, apenas 11 canções foram colocadas no álbum e a idéia inicial nunca foi totalmente desenvolvida.

Entre os anos 1968 e 1980, Agnetha teve um total de 18 entradas na importante parada de rádio Svensktoppen, começando pelo seu primeiro single "Jag Var Så Kar" em janeiro de 1968 (#1 posição) e terminando com "När Du Tar Mig I Din Famn" da coletânea "Tio år med" doze anos depois, em janeiro de 1980 (#1 posição). As 18 entradas, a maioria das quais foram compostas ou co-escritas por ela mesma, passaram um total de 139 semanas na parada durante este tempo, com o maior sucesso sendo "Om Tårar Vore Guld" em 1970 (#1, 15 semanas). Agnetha Fältskog também gravou o álbum de natal em sueco "Nu Tändas Tusen Juleljus" com a filha Linda Ulvaeus, que chegou ao 6º lugar na parada de vendas sueca em dezembro de 1981. Agnetha Fältskog portanto é de longe a artista solo mais bem sucedida dos quatro membros do ABBA, antes e durante a carreira internacional da banda. Agnetha Fältskog é também o único membro do ABBA que participou novamente do Melodifestivalen depois de vencer o Eurovision com "Waterloo" em 1974 - embora somente como compositora.

Em 1981, ela escreveu a balada "Men Natten Är Vår" ("But The Night is Ours"), com letra de Ingela Forsman, mas em vez de apresentar a canção no concurso ela escolheu o novo talento Kicki Moberg. O single, que Agnetha produziu nos estúdios Polar com os mesmos músicos das gravações do ABBA, trouxe no lado B a versão em sueco de "I'm Still Alive", intitulada "Här Är Mitt Liv" ("Here is My Life") , uma canção que ela mesma cantou na turnê mundial do ABBA em 1979. A gravação de Kicki Moberg da canção continua sendo a única versão oficialmente lançada até hoje. No final de 1982, ela fez um dueto com o cantor sueco (e ex-backing vocal do ABBA) Tomas Ledin em uma música chamada "Never Again", que se tornou um sucesso Top 5 na Suécia, Noruega, Bélgica e América do Sul. A canção também foi lançada em uma versão em espanhol, intitulada "Ya Nunca Más". No verão do mesmo ano, Agnetha estrelou o filme sueco de sucesso "Raskenstam", e recebeu críticas positivas para sua estréia no cinema. Raskenstam também foi um grande sucesso na Suécia.

Em maio de 1983, Agnetha Fältskog lançou seu primeiro álbum solo pós-ABBA, Wrap Your Arms Around Me. O álbum teve um sucesso moderado na América do Norte e Austrália, e chegou ao topo das paradas em toda a Europa, incluindo o 1º lugar na Suécia, Noruega, Finlândia, Bélgica e Dinamarca (onde se tornou o álbum mais vendido do ano) e o 18º lugar no Reino Unido. No total Agnetha vendeu 1,2 milhões de cópias do seu primeiro álbum solo depois do ABBA. Dois singles do álbum se tornaram grandes sucessos na Europa continental. "The Heat Is On" chegou ao 1º lugar na Suécia, Dinamarca, Noruega, Finlândia e Holanda, mas no Reino Unido entrou apenas para o Top 40. A faixa título também chegou ao 1º lugar na Bélgica, assim como chegou ao Top 5 na Holanda, Alemanha e África do Sul. Na América do Norte, a faixa do álbum "Can't Shake Loose" foi lançada como single, atingindo o 29º lugar no Hot 100 da Billboard e o 23º lugar na parada RPM Top singles no Canadá. No mesmo ano, Agnetha Fältskog foi eleita pelos leitores do Aftonbladet a "Melhor Artista Feminina do Ano" e recebeu o prêmio Music Award Price Rockbjörnen.

Seu próximo álbum, Eyes of A Woman, produzido por Eric Stewart do famoso 10cc, foi lançado em março de 1985. "Ela está muito contente graça ao trabalho de vários outros mortais com a sua impecável voz doce", escreveu Barry McIlheney no Melody Maker. O álbum vendeu bem em algumas partes da Europa, atingindo o 2º lugar na Suécia e o Top 20 na Noruega e Bélgica, mas não conseguiu se igualar ao sucesso do Wrap Your Arms Around Me. O single "I Won't Let You Go" entretanto, composto pela própria Agnetha, alcançou sucesso considerável nas paradas da Europa continental e Escandinávia.

Em 1986, Agnetha gravou outro dueto, "The Way You Are", com o cantor sueco Ola Håkansson, da banda Secret Service, e chegou ao 1º lugar na Suécia. Em meados de 1987, Agnetha viajou para Malibu, Califórnia, para gravar o álbum "I Stand Alone", produzido por Peter Cetera (ex-Chicago) e Bruce Gaitsch (que colaborou com Madonna em La Isla Bonita). Lançado em novembro do mesmo ano, fez um pequeno sucesso na Europa, exceto na Suécia, onde passou oito semanas em 1º lugar e se tornou o álbum mais vendido de 1988 e entrou para oo Top 15 na Noruega. O single do álbum, "I Wasn't The One (Who Said Good-Bye)", em que Agnetha Fältskog fez um dueto com Peter Cetera, foi lançado primeiramente na América do Norte, e se tornou seu segundo single solo a entrar para a Billboard Hot 100 (93º lugar). Foi também um sucesso no Top 20 Billboard Adult Contemporary. Duas faixas foram também gravadas em espanhol para o mercado latino-americano, "La Ultima Vez" (The Last Time) e "Yo No Fui Quién Dijo Adiós" (I Wasn't The One Who Said Goodbye). Após o lançamento do álbum "I Stand Alone", no meio do ano de 1988 Agnetha Fältskog resolveu dar uma pausa em sua carreira musical e se retirou totalmente da vida pública.

Em dezembro de 1990, Agnetha Fältskog casou-se pela segunda vez, ainda que por pouco tempo, com um cirurgião chamado Tomas Sonnenfeld. Eles se divorciaram em 1993. Em 1996, a sua autobiografia "Som jag är" foi publicada em sueco (em inglês no ano seguinte com o título "As I Am), seguida de várias compilações em cd de suas gravações em sueco e em inglês.

Em abril de 2004, Agnetha Fältskog lançou um novo single, "If I Thought You'd Ever Change Your Mind" (uma regravação da canção originalmente gravada por Cilla Black). O single chegou ao 2º lugar na Suécia, 11º lugar no Reino Unido e teve um sucesso considerável em toda a Europa. "É emocionante ouvir sua voz, totalmente intacta, transmitida na canção," comentou a revista musical de Londres Music Week. Algumas semanas depois, o álbum "My Colouring Book", uma coletânea com regravações de Agnetha Fältskog de clássicos dos anos 60 foi lançada, alcançando o topo das paradas na Suécia, o Top 5 na Finlândia e Dinamarca, o 6º lugar na Alemanha e chegou ao 12º lugar no Reino Unido.

A canção título "My Colouring Book" é a regravação da canção originalmente gravada por Dusty Springfield. "Eu amei esta gravação", se entusiasmou Pete Clark no londrino Evening Standard, enquanto o Daily Mail destacou que "isto revela um carinho genuíno pelas er das músicas pop esquecidas." O revisor do Times observou que "a sua voz ainda é um instrumento pop impressionante", e o The Observer partilhou do mesmo sentimento, sugerindo que "o tempo não diminuiu a perfeição da sua voz". Analisando o lançamento no The Guardian, Caroline Sullivan escreveu: "Agnetha Fältskog tem uma fragilidade que fica à flor da pele de uma canção. Ela pode estar enganando um pouquinho, não incluindo nenhum material original nesta coletânea de covers dos anos 60, mas se alguém pode fazer justiça a "Sealed with a Kiss" é ela. O crescente sentimentalismo evoca Cilla Black e Sandie Shaw na pompa de sua mini-saia, e eu não digo que levemente."

O lançamento atraiu grande atenção da mídia em toda a Europa, mas Agnetha Fältskog se recusou firmemente a se envolver em qualquer divulgação ampla do álbum (incluindo aparições pessoais), e portanto limitou a sua exposição pública a várias entrevistas para jornais em curto prazo, alguns clipes e um especial de TV em sueco. No entanto, o álbum conseguiu vender mais de 500 mil cópias no mundo todo, 50 mil só no Reino Unido. Um segundo single do álbum, "When you walk in the room", chegou ao 11º lugar na Suécia e também alcançou o UK Top 40.

Logo após este lançamento, para a semi-final do Eurovision Song Contest de 2004, realizada em Istambul (Turquia), trinta anos depois do ABBA vencer a competição em Brighton, Agnetha Fältskog apareceu brevemente em um vídeo de comédia especial produzido para o intervalo, intitulado "Our Last Video". Cada um dos quatro membros do grupo apareceu brevemente em papéis diferentes do real, assim como Cher e Rik Mayall. O vídeo não foi incluído no dvd oficial do Eurovision Contest, mas foi lançado em um dvd separado (The Last video). Foi anunciado que esta foi a primeira vez em que os quatro trabalharam juntos desde a separação do grupo. Na verdade, cada um filmou as suas aparições separadamente.

Ainda em
2004, Agnetha Fältskog foi eleita a melhor artista nórdica no Nordic Music Awards, e no Natal do mesmo ano (pela primeira vez em quase 20 anos), ela deu uma extensa entrevista que foi filmada pela TV sueca. Na mesma época, a Sony Music lançou um box ricamente produzido com 6 cd's abrangendo sua carreira solo em sueco antes do ABBA (cinco álbuns solo originais - 1968, 1969, 1970, 1971, 1975 - e uma coletânea adicional com faixas bônus).

Em janeiro de 2007, Agnetha Fältskog compareceu à apresentação final do musical "Mamma Mia!" em Estocolmo (assim como esteve na estréia em 2005 também em Estocolmo, quando os outros três também compareceram, cada um separadamente). Juntamente com o ex-marido e ex-colega Björn Ulvaeus, ela apareceu no palco depois da festa de encerramento realizada no Grand Hotel de Estocolmo. Ela também cantou em dueto, "True Love", com Tommy Körberg e Benny Andersson ao piano.

No dia 4 de julho de 2008 Agnetha se juntou aos ex-colegas Anni-Frid Lyngstad, Björn Ulvaeus e Benny Andersson na estréia sueca da versão cinematográfica do musical "Mamma Mia!", no Teatro Rival (propriedade de Andersson) em Mariatorget, Estocolmo. Agnetha Fältskog chegou com Anni-Frid Lyngstad e a estrela de cinema Meryl Streep, as três dançaram na frente de milhares de fãs antes de se juntarem às outras estrelas do filme, Benny Andersson e Björn Ulvaeus na sacada do hotel para a primeira fotografia dos quatro membros do ABBA juntos em 22 anos.

Em outubro do mesmo ano uma nova coletânea comemorando seus 40 anos de carreira, "My Very Best", foi lançada na Suécia. O cd duplo contém músicas em sueco no cd 1 e em inglês no cd 2, abrangendo toda a sua carreira solo, de 1967 a 2004. Ele entrou com sucesso em 4º lugar na parada de álbuns sueca e certificado com ouro na primeira semana de seu lançamento.

Em janeiro de 2009 Agnetha e Frida receberam juntas o prêmio Rockbjörnen pelo conjunto da obra do ABBA, onde Agnetha foi entrevistada ao vivo pela primeira vez desde 1988 em um palco. Em 2010 é iniciada a exposição itinerante ABBA World, em que Agnetha aparece em uma entrevista exibida na exposição onde ela fala que atualmente está muito distante da música e que agora quer dedicar-se apenas à família. Apesar de hoje se sentir à vontade para falar dos anos com o ABBA, para Agnetha sua maior realização hoje é ser avó e poder ficar perto daqueles que ama. Em março deste ano o ABBA finalmente foi empossado no Rock and Roll Hall of Fame, realizado em Nova York. Apesar de não poder comparecer, Agnetha afirmou para a amiga Frida por telefone que estava muito agradecida e honrada com a nomeação.

Hoje Agnetha Fältskog vive ao lado da família em sua propriedade no arquipélago de Ekerö, em Estocolmo. Apesar da fama de reclusa, Agnetha Fältskog tem uma vida social e familiar estável e equilibrada, sendo vista de vez em quando em eventos e casas noturnas ao lado de amigos e da filha Linda. Agnetha Fältskog hoje quer apenas ter uma vida comum e a paz que o sucesso mundial não lhe trouxe. E é isto o que os fãs dessa estrela especial lhe desejam neste dia tão especial em que ela comemora 61 anos de vida, sucesso, beleza e talento singular.

Parabéns, Agnetha!!!


(Fontes: Agnetha Now & Then, ABBAannual, Icethesite, ABBAMikory e Agnethaarchives)

45 comments:

linezinha disse...

Parabéns Agnetha!!!!

bruno disse...

Ela merece tudo de melhor em sua vida! Parabéns Aggie!

FINGER disse...

Adauto, parabéns pelo post!!! Uma justa homenagem à nossa diva!! Quanto à Agnetha....custa-me imaginar uma mulher mais bela e talentosa!!!! Parabéns Aggie!!!!

Isabel disse...

Felicidades Agnetha. Muita paz no seu coração.

Lycka disse...

A Anna merece tudo, tudo de bom.
S2

Abraço*

Raquelli disse...

Bela homenagem Adauto!

Grattis på födelsedag Agnetha!
Que você seja feliz acima de tudo e que possa estar ao lado das pessoas que tu ama.Tudo de melhor a ti, obrigada por sua música e por tudo que ela me traz. Parabéns meu anjo!

Dirceu disse...

05 de Abril me é uma data muito especial: foi o dia em que a 02 anos nasci novamente, após uma delicada cirurgia no cérebro para retirar um tumor maligno que quase conseguiu acabar comigo.
Parabéns querida Agnetha!!!

rogerio borella disse...

Parabens pelo que voce é e sempre sera, mil beijos e seja muito feliz

Andre Luis disse...

A minha felicidade foi muitas vezes embalada por suas canções.......... bj

Anônimo disse...

Parabéns Agnetha ! Sou sua fã... Queria tanto poder te conhecer pessoalmente, conhecer a sua cidade, enfim, como não é possível, contento-me em saber notícias suas e saber que você está bem e feliz ! Que Deus lhe dê sempre muita saúde e felicidade ! Yara

Renata disse...

Agnetha maravilhosa! Linda e talentosa como sempre. Parabéns à Barbie Girl do Abba!

RAIMUNDO ARACAJU SERGIPE... disse...

simplismente a mais bela...

Anônimo disse...

who`s that girl? linda ! valeu agnetha

Anônimo disse...

eu amo essa mulher

Anônimo disse...

parabéns Agnetha por mais um aniversário... Mas o maior presente somos nos quem ganhamos, o seu eterno TALENTO! Felicidades... Eduardo

Anônimo disse...

Parabéns Agnetha!
Muita saúde e Paz. Apesar se ser seua niversário você bem que poderia dar um presentinho para todos nos que te amamos e gravar algo novo.
Felicidades!

Anônimo disse...

minha agnetha linda, parabéns :]

Anônimo disse...

Olá, amigo! A matéria é excelente, maravilhosa mesmo, mas gostaria que o amigo só corrigisse no final onde fala que ela comemora 60 anos, na verdade são 61. Parabéns pelo zeloso trabalho! Pude conhecer muita sobre essa banda tão amada.
Abraço!
Cláudia Cacau

Anônimo disse...

Olá, amigo! Parabéns pelo trabalho maravihoso que vc tem feito sobre essa banda que consquitou o mundo inteiro com suas canções inesquecíveis e seu carisma. Gostaria que o amigo só corrigisse o final dessa matéria onde tem escrito que Agnetha comemora 60 anos, na verdade são 61. Forte abraço e fique com Deus!
Cláudia Cacau

Anônimo disse...

Já a considerava um fenômeno, eis que ao ler esta matéria descubro que é muito mais do que eu pensava. Não é por nada que quando vejo um vídeo do ABBA não consigo tirar os olhos da AGNETHA, até parece que é a única integrante da banda. Parabéns aos responsáveis pela matéria e, obviamente, parabéns AGNETHA e obrigado por existir.

Bergvolk disse...

Olá. Mandei um cartão de aniversário para a Agnetha e voltou. Usei o endereço SODRA BROBANKEN, 41 de Estocolmo. Alguém tem o endereço correto atual?
Se tiverem da Frida também, agradeço. Obrigado

Anônimo disse...

agnetha antes de tudo quero que saiba que amo vc que vc pra mim é um exemplo de vida toda a felicidade que o mundo pode comportar desejo a vc minha eterna diva pois vc merece amor paz e felicidades que deus te ilumine cada vez mais e te conserve por muito tempo ainda iluminando o mundo com sua infinita luz.PARABENS AGNETHA FALTSKOG I LOVE YOU!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Agnetha maravilhosa! Linda e talentosa como sempre. Parabéns à Barbie Girl do Abba

Anônimo disse...

amo agnetha faltskog um exemplo de vida minha eterna fonte de inspiração, talento,beleza, sucesso e humildade
a ela toda felicidade,saude e amor do mundo junto das pessoas que ama.
ela merece tudo isso e o que mais de bom o mundo pode oferecer a alguem.

wilson disse...

sou um grande fã dessa banda,ela fez parte da minha juventude.que saudades.parabens Agnetha.

Val disse...

Quando ouço ABBA volto aos 14 anos.Que saudade

Anônimo disse...

Anònimo do 17 de abril, gosta de repetir as palabras e as frases de outro, ne? vai tomar no teu cù.

reinaldo disse...

além de fã do grupo sou apaixonado por Agneta, para mim ela foi, é, e sempre será a mulher mais linda que eu já conheci

mylle_barros70 disse...

nossa, bem que eu queria ter conhecido o abba sou muito fã dessa banda maravilhosa

Rosvalmir Afonso disse...

Sou do dia 4 de abril (um dia antes da Agneta)e tenho 95% dos LP´s do grupo.
Adoro e não canso de ouvir suas músicas.
Nem td fica para sempre e um fim nunca é descartado entre grupos do estilo do ABBA.
O legal é saber que estão bem de saúde, e levando a vida na paz.
Deus proteja a todos, e em especial os idealizadores desse magnífico blog.Parabens.

Anônimo disse...

parabens Agnetha,parabens abba,eternamente.

Nilton Pereira disse...

Vida londa a grande e eterna diva da música pop!!!!

Herbert disse...

Nossa, como é difícil encontrar uma biografia tão completa como esta na net...
Parabéns ao criador dela e do magnífico site!!!
Curti muito o ABBA nos anos de 1978 (quando eu tinha 8 anos) até 1981 e eu sempre adorei as músicas deste maravilhoso grupo!
Sem falar, que eu era apaixonado pela Agnetha, que sempre se destacou dos demais integrantes (por sua doçura e beleza indiscutível).
É isso aí, parabéns Agnetha!!!

Lacerda disse...

Obrigado pelo comentário, Herbert!

Esse pequeno esboço biográfico da Agnetha foi feito por mim com todo o carinho e admiração que sempre tive por ela.

Abraço!

marcos paulo disse...

eu ainda tenho esperança de ver esse grupo reunido de novo pelo menos para um show e eu vou está lá

Anônimo disse...

Bela biografia para uma magnifica cantora.
Parabens é pouco. Viva eternamente como com certeza sua musica vivera. Não existe hoje nenhuma cantora que possa supera-la ;
saude e paz AGNETA (é sem H mesmo )

Anônimo disse...

Muito Lega a Biografia, estou ouvindo o ABBA e meu pai disse que ela tinha morrido então vim correndo para saber.

Anônimo disse...

Sou um fã à muito tempo e apaixonado pela obra de Agnetha e o Grupo ABBA tambem. Daria tudo para poder um dia dizer pessoalmente que sou seu admirador e que a amei muito na adolescencia. coisa de jovem rsrsr.
Parabens Abba Brasil pela biografia.
Só gostaria de uma confirmação, se a mãe de agnetha realmente se suicidou atirando-se de um predio, devido à sua doença. Grato

Rogerio de Oliveira Amaral disse...

adorei

Anônimo disse...

Adorei o post! Gosto de ler e pesquisar tudo que fala sobre o Abba e a linda Agnetha. Sou fa e tbm curto os cds e dvds deles. Bjs a tds os fas do Abba, ass: Lu

Anônimo disse...

Quero ir para Estocolmo conhecer Agnetha pessoalmente. Alguém sabe onde posso encontrá-la ? ou qual é o endereço da casa dela pra eu enviar uma carta ?

jual hajar jahanam disse...

Agnetha realmente inspirar um monte de gente, especialmente eu. E dedicação à música, tornar a vida mais colorida

Daniele Alves disse...

Agnetha sempre tão alegre linda.Anjo

Paulo disse...

Agneta, the most beatiful woman ever. Que loiraça linda mesmo, apaixonante kkkk
mas esqueçam esse negócio de mandar carta, ela não quer, é pra isso mesmo que se isola na mansão dela...

Anônimo disse...

sempre vou escutar a as musicas abba são eternas

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...