quarta-feira, 9 de junho de 2010

Agnetha Fältskog, 1984: "É detestável ser chamada Agnetha do ABBA"


Agnetha Fältskog caminha para nós, pequena, leve e amável e estende sua mão. Um sorriso encantador e os brilhantes olhos puxados de gato. Um aperto de mão e eu imediatamente me senti à vontade.

Ela nos conta a trágica história sobre seu cão - originalmente um presente de Torbjörn (Torbjörn Brander era seu noivo na época) - que havia mordido seu motorista na mão e no rosto.

Ali estava ela, uma das maiores super estrelas mundiais falando sobre trivialidades cotidianas. Agnetha. Ídolo e dona de casa.

Nós caminhamos com Agnetha até a um dos restaurantes de Estocolmo. Partindo do escritório da Polar caminhamos através do Norrmalmstorg. Nós perguntamos a Agnetha se as pessoas a deixam sozinha quando ela caminha pela rua.
- Sim, elas deixam. Isso piora assim que eu chego em Londres.

O que você faz atualmente?
- Ultimamente não tenho feito muita coisa. No ano passado eu viajei muito e trabalhou bastante. Agora eu fico em casa com os meus filhos. Eu sou uma mãe caseira. Neste outono há planos para um filme e um novo LP. Existem planos para "Raskenstam 2" e eu recebi um convite de Gunnar Hellström. Eu li alguns roteiros ultimamente, tenho recebido várias propostas. Mas tenho que dizer que estão longe de serem bons scripts. Mas eu não estou completamente desligada do trabalho. Quando você está planejando um LP você tem que examinar as músicas, músicos, produtores.

O que parecem ser as suas semanas hoje em dia?
- Bem, elas são preenchidas com tarefas diárias. Eu tenho que levantar cedo de manhã com os meus filhos. Eu fico com a certeza de que a minha filha foi para a escola e que o meu filho foi para a creche. Depois eu levo o cachorro para passear. A maior parte do que eu sou simplesmente e coisas assim. Mas eu tento evitar ir às compras.

Por quê?
- É muito difícil esperar na fila. Eu contratei uma babá, o que torna isso muito mais fácil para mim. Além disso? Acho que vou começar a estudar inglês novamente. Eu tenho a sensação de que isso pode ser uma coisa boa.

Você lê muito?
- Sim. Agora estou lendo o livro do Stikkan. O "1984" de Orwell é o próximo da lista.

E os filmes?
- Eu vou ao cinema de vez em quando. Eu irei ver "Frances".

E sobre James Bond? - Então Agnetha me olha desconfiada e fala:
- Não, eu não gosto de filmes desse tipo. Eu gosto de sentir algo quando vejo um filme. "An Officer And A Gentleman" foi ótimo. Quando se trata de séries de TV acho que "Dynasty" parece promissora. Eu gosto de séries e tento acompanhar pelo menos uma. Acho que as pessoas sentem falta de séries.

Como você reage ao interesse dos tablóides pela sua vida privada?
- É difícil. Mas eu não posso impedir. Acredite, eu tentei. E ainda tento. Eu acompanho sistematicamente e relato todos os artigos que passam do limite ao ouvidor de imprensa. Mas estou receosa de não poder fazer mais do que isso.

Quando iremos começar a ler as suas memórias?
- Eu acho que é muito cedo. Houve negociações sobre um livro, mas ele foi colocado em espera. Isto tem a ver comigo não querer falar sobre a minha vida privada. Eu quero proteger os outros e a mim mesma.

Quando você olha para trás, o que você pensa dos primeiros anos após vencer o Eurovision Song Contest com "Waterloo" em 1974?
- No início isso foi muito vigoroso. Bem, até 1980 tudo girava em volta disso. E no meio de tudo isso eu tive os meus dois filhos... Bem, Linda nasceu em 1973, mas... vencer o ESC foi muito divertido, mas depois veio um período de trabalho que foi tão intenso que era difícil desfrutar do sucesso. Agora estou experimentando a calma que eu desejava. Eu cheguei a um ponto em que eu posso escolher o meu próprio caminho, sem ser empurrada. E para ser honesto, não era assim com o ABBA. Havia algumas turnês que eu deixaria com prazer!

Então o ABBA não existe mais?
- Bem, isso é um pouco estranho. Nós nunca tivemos uma reunião sobre o assunto, nós nunca concordamos que acabou. Quando nos afastamos foi para dar uma pausa. Frida e eu fizemos nossos álbuns solo. Björn e Benny queriam escrever um musical. Mas eu acho que posso dizer que nenhum de nós deseja recomeçar. Talvez um outro LP...

Vocês não se vêem muito uns aos outros?
- Nós não temos muito em comum, nem mesmo quando ainda éramos dois casais. É estranho, nós nunca tomamos a decisão de iniciar um grupo. Isto aconteceu em 1972 com "Ring Ring". Lembro deste ano porque eu estava grávida.

Dizem que as gravadoras na Europa foram contra você usar o seu nome completo no LP. Fältskog é um nome difícil de pronunciar.
- Sim, mas para mim era uma questão da minha identidade. Eu não queria ser chamada apenas de "Agnetha", isto pareceria muito vazio na capa do álbum. Poderia ser essencialmente qualquer pessoa. Eles também queriam dizer "Agnetha do ABBA". Eu realmente detestava isso. Isso seria como enganar os compradores de discos. Ter uma identidade, o que é muito importante!

Qual é a maior diversão que você experimentou durante a sua carreira no ABBA? - Agnetha pensa nisso por um longo tempo antes de responder:
- Que nós... que nós chegávamos a muitas pessoas, essa é a melhor coisa. Mas o mais divertido? Talvez quando Frida perdeu a sua peruca - bem no meio do nosso mini musical. Sob a peruca nós tínhamos o cabelo preso em um coque. Nós estávamos dançando e de repente a peruca da Frida caiu. Nós quase piramos. Mas como eu disse, acima de tudo estou feliz por termos chegado a tantas pessoas. Que nós as fizemos felizes. Que elas gostaram da nossa música.

Quando se trata de recorde de vendas na Europa, o ABBA tornou-se o maior depois dos Beatles. Você esperava por isso?
- Não, nós nunca poderíamos sonhar com isso.

Você tem uma música favorita no ABBA?
- "The Winner Takes It All". Também gosto de "Ring Ring". Uma mãe uma vez me disse que a sua filha aprendeu a pronunciar o "r" por causa dessa música.

Do que você mais gosta? Da carreira solo ou do ABBA?
- É errado tentar comparar. Então eu sou obrigada a dizer que uma é mais divertida do que a outra. Apesar de tudo, eu experimentei muito com o ABBA, muitas coisas boas, muito gratificante. Mas a diferença é que como uma artista solo você é livre, você pode fazer o que quiser, mudar o som entre as músicas. Mas o ABBA tem que pensar sobre o som o tempo todo, e Björn e Benny foram o som do ABBA.

Você tem planos para algum concerto?
- Não. Eu tenho difíceis limitações quando se trata de viajar. Eu odeio voar, você sabe. E no outono passado eu estive envolvida em um acidente de ônibus, então eu não gosto de viajar dessa maneira.

Você tem medo de voar?
- Morro de medo! Torbjörn, meu noivo, tem uma licença de piloto, mas eu não vôo com ele!

Agnetha sorri e diz:
- Quando vamos de férias para países mais quentes, ele não tem escolha mas agradavelmente coloca as crianças e as bagagens no carro e dirige para o sul. Para a Itália ou onde quer que nós formos. A não ser que nós decidamos ir ao arquipélago de Estocolmo. Lá também é bonito durante o verão.

Agnetha tem sido uma porta voz da campanha "En rökfri generation" (Uma geração livre do fumo).

Você deixou de fumar completamente agora?
- Sim. Eu não fumo há um ano. Eu comecei a ter alguns problemas com o meu coração, você sabe. Então eu tive que ir para o Akademiska sjukhuset (hospital) em Uppsala. Isso realmente me abalou.

Por Yan Friids

Fonte: Agnethaarchives - Publicado na revista VeckoRevyn em abril de 1984

0 comments:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...